Publicado em: 28/08/2017



Dentre as características dos bichanos, sem dúvida a mais charmosa é o famoso bigodinho. Mas não pense que é puramente estética a sua função.

A natureza sabe ser sábia, e eles não estariam ali por acaso! Em número de 24, 12 de cada lado, o bigode dos felinos, cujo nome correto é vibrissas são pêlos “multifunção”. Ligadas a células sensoriais e nervos da face, sua função principal é transmitir ao cérebro do gato, todo tipo de informação: Ajudam a sentir as correntes de ar, são úteis antes de saltarem, percebem odores, podem tocar na superfície ao seu redor, ao ingerirem água percebem  a distância para evitar que seu focinho mergulhe na água, e durante a noite conseguem até mesmo medir a distância de objetos, visto que os gatos possuem hábitos noturnos. Para os machos servem até mesmo para detectar fêmeas no cio.

Alguns gatos não gostam de potinhos para água e comida muito fundos, justamente por encostarem os bigodinhos nas bordas, sendo as vibrissas muito sensíveis. Este é o mesmo motivo que eles não comem o restinho da comida e ficam esperando até que você encha o potinho de ração.

 


 

Além dos bigodes, também existem vibrissas acima dos olhos, queixo, e na parte de trás e inferior das patas dianteiras.

Não somente nos gatos, mas, em outros mamíferos as vibrissas também tem maior ou menor importância. Por exemplo: Caso tenham elas cortadas, os cães sabem se adaptar melhor. Mas, em cães que perdem ou tem a função visual diminuída, elas são fundamentais na orientação desses animais.

Como forma de comunicação, através da posição em que se encontram, podemos saber muito sobre o humor do gato. Em caso de alegria, o bigode fica relaxado e direcionado para frente. No caso de uma atitude defensiva, ele fica para trás.

 


 

Com esse tanto de funções importantes, não é a toa que sempre ouvimos falar que NUNCA devemos cortar os bigodes dos gatos. Mas, caso ocorra algum acidente e os felinos tenham os bigodinhos arrancados ou cortados, o que devemos fazer até que voltem a crescer é proteger bem o animalzinho dentro de casa, pois se sentirão inseguros. Com a perda dos pelos táteis, os gatos perdem referências importantes e por isso o melhor é evitar que tenham acesso á rua, com a perda de referências podem não saber se cuidar e virem a se machucar.  


Kayuane Muner - Acadêmica Medicina Veterinária Fag
Dpto. Comercial Ecolog Brasil.

Bigodinhos: Uma ferramente charmosa!